quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

A Morte...



Com tantas injustiças sociais, imagine se os ricos pudessem subornar a morte???
O poder do dinheiro não vale nada diante da invencível morte!
Ao contrário dos homens, Ela não discrimina ninguém.
Pode ser rico, pobre, feio, bonito, forte ou fraco,
Quando chega sua hora Ela vem buscá-lo.

Onde você estiver, não adianta se esconder ou disfarçar,
Ela sabe quem é você e nunca erra o seu endereço.
Muitos acham que a Morte não é justa,
Que não era hora de fulano ou ciclano...
Principalmente se for crianças nos seus verdes anos.

Por que a Morte o levou? Será que ela se enganou e te levou antes do tempo?
Não meus amigos. Ela nunca se engana!!!
A Morte se faz necessária.

Imagine se ninguém  morresse?
Seriamos feito Erva-Daninha e não haveria espaço para tantas almas, tantas casas, tantas bocas para alimentar sem  lugar para plantar.
Faltaria comida, água, sobraria  ainda mais poluição, em geral, a vida seria geral um tédio.

Os sofrimentos do corpo e da alma seriam eternos,
Não haveria recomeço nem saudade,
Não aprenderíamos amar de verdade, pois, sem a dor da separação não haveria espaço para a evolução causada pela sabedoria.

Não existe vida... Sem a  Morte!

Texto: José Roberto (Betão)

Nenhum comentário:

Postar um comentário